sábado, 2 de abril de 2011

IKOMOJÀDE- RITUAL DO NOME DA CRIANÇA.



A criança, desde o útero materno, participa ativamente da Religião. O oráculo é consultado na gestação para saber quais os ebo necessários a fim de que o bebe faça uma boa escolha de destino, seja saudável e que a mãe tenha um bom parto. No dia de seu nascimento, a placenta e o cordão umbilical são enterrados em um vaso especial chamado "isasum" (que foi previamente pintado por seu pai ou pelo homem mais velho da família nas cores branca , azul e vermelha, com símbolos de ancestralidade), em um ritual chamado "Iwo", que significa a devolução à mãe Terra da força vital que o criou, como a busca pela fonte de vida, pela foz de um rio. E neste local, mais tarde, durante sua vida, "ebo" serão feitos, e dali, daquela terra, sairá um "onde" (amuleto) que o protegerá durante toda a sua existência.
A consulta ao oráculo Ifa será feita pelo Sacerdote até o quarto dia de vida do bebe, e a família será informada sobre qual o antepassado que está de volta, o destino da criança, suas interdições ancestrais e religiosas, a que Orisa pertence sua cabeça e para o qual, no tempo certo, deverá ser iniciada. Neste dia, pela primeira vez, a Mãe ergue o bebe em suas costas, modo fácil de carregá-lo, que cria um liame de amor e confiança entre mãe e filho e, na prática, libera suas mãos para os deveres do quotidiano.
No sétimo dia para uma menina, no oitavo dia para gêmeos, no nono dia para um menino, um cerimônia chamada "Ikomojade" (dia de dar o nome a um recém nascido) será realizada, reunindo a família e amigos, em uma festa de alegria e felicidade por mais um filho que chega. Para um yorùbá, importante é ter descendência, é realizar através de filhos e netos, daí as manifestações de satisfação com a chegada de cada novo bebe.
A criança é a primeira a ouvir seu nome completo da boca do Sacerdote ou do mais velho da família. Os ancestrais são chamados a compartilhar desta hora de congraçamento familiar, e se manifestarão através do "obi" (kola akuminata), fruto de origem africana usada como alimento de deuses e homens e como veículo da adivinhação, um dos ramos do oráculo Ifa. A partir de então, o bebê está inserido no círculo familiar, tem seu lugar na hierarquia tribal.

2 comentários:

  1. ESte ritual é feito na África , certo, vc acha que deveria ser feito aqui no brasil tb?
    Pelo que li, os yorubanos acreditam em reencarnação, é isso?..."a família será informada sobre qual o antepassado que está de volta..."

    ResponderExcluir
  2. Coisas que faço, este ritual é de suma importancia,Ikomójade, pois o Odu de nascimento aparecerá neste ato ou somente na iniciação de Ifá, faz-se com 7 dias para meninas e 9 para meninos.
    Ele direcionará a vida deste individuo, com todas os seus aspectos positivos e negativos, impedimentos, folhas que não podem ser usadas, alimentos e etc...
    Temos bons Bàbálawos no Brasil, porém, o melhor é que seja alguém bem indicado.
    A reencarnação,atunwá, é uma realidade no seio Iorubá, nós acreditamos no retorno ao seio da familia e uma cerimonia anterior, com 3 dias de nascido esta familia saberá o ente querido que está retornando ou não.

    Ire o.
    Da Ilha

    ResponderExcluir

O Culto Tradicional Yorùbá, vem resgatar nossa cultura milenar, guardada na cabaça do tempo.